Mata Atlântica Rio JaneiroO desmatamento da Mata Atlântica começou com a colonização do país. No início, ela era extensa, com mais de 1,3 milhões de km² e ia do sul ao nordeste do Brasil, ocupando 17 estados brasileiros. Mas foi marcada pelos diversos ciclos econômicos que prevaleceram durante a história do Brasil Colônia, em especial: pau-brasil, cana-de-açúcar e o café. Além disso, a urbanização também foi um dos fatores que também prejudicou a sua preservação.

A Mata Atlântica é composta pelos seguintes tipos de formações florestais: Florestas Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, Estacional Decidual, Estacional Semidecidual e Ombrófila Aberta. Além dela, está associada a outros ecossistemas (manguezais, campos e restingas). Com relação a fauna e a flora, é formada por mais de 20 mil espécies de plantas e mais 2 mil espécies de animais (mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes).

Além da biodiversidade, a Mata Atlântica é muito importante para os brasileiros, visto que, ela preserva a fertilidade do solo, auxilia na purificação do ar, regula o clima, protege nascentes e rios, contribui com atividades econômicas e com a qualidade de vida das pessoas, além de preservar espécies de plantas e animais.

História: O Desmatamento durante os Ciclos Econômicos do Brasil

Ciclo do Pau-Brasil

Com a chegada dos portugueses, o primeiro produto a ser explorado foi o pau-brasil, de alto valor para a Coroa Portuguesa. Essa árvore estava presente em todo o litoral, na Mata Atlântica. Ela produzia um corante vermelho utilizado para tingir tecidos ou como tinta para pintura e sua madeira era usada para na fabricação de móveis. O índio foi a principal mão-de-obra para a extração da madeira. Eles trabalhavam em troca de espelhos, ferramentas e outros objetos pouco importantes para os portugueses. A sua extração continuou desenfreada até ser praticamente extinto do litoral, pois é uma árvore que demora para se desenvolver.

Ciclo do Ouro

Com a descoberta do ouro, após o século XVIII, a floresta foi prejudicada na região sudeste do país, pois para a extração do mineral foi necessário o desmatamento do local. Além disso, houveram áreas onde se formaram erosões e voçorocas.

Ciclo da Cana-de-açúcar

Como o pau-brasil estava escasso no litoral, os portugueses começaram o cultivo de cana-de-açúcar no nordeste. Para isso, houve a necessidade de desflorestamento para iniciar a atividade desta monocultura. Este ciclo durou entre os séculos XVI e XVIII. O açúcar era voltado para o mercado europeu e para sua exploração era utilizada a mão-de-obra africana e indígena. Por causa do ciclo prolongado da cana, o solo teve sua fertilidade reduzida.

Ciclo do Café

O ciclo do café teve início no século XVIII, inicialmente, como um produto doméstico. E, foi um dos principais produtos que movimentou a economia do país a partir do século XIX até a década de 1930. Os cafezais ocuparam cada vez mais o território substituindo pela Mata Atlântica.

Urbanização

Com o crescimento urbano e também a industrialização, em destaque, no sudeste do país, por exemplo, em estados como Rio de Janeiro e São Paulo, houve maior devastação deste bioma. Já no final do século XX, a mata ocupava pequenos trechos do território brasileiro, até mesmo no espaço urbano.

Impactos do Desmatamento na Mata Atlântica

Os impactos causados pela exploração econômica na Mata Atlântica foram muitos. Originalmente, ela ocupava 1,3 milhões de km² e após isso, restou pouco de sua cobertura. Dentre os principais impactos causados pelo desmatamento da Mata Atlântica estão:

  • Risco de extinção de diversas espécies. Um exemplo disso é o pau-brasil;
  • Destruição do ecossistema de populações animais. Esse fato é capaz de ameaçar a fauna;
  • Aumento do aquecimento global;
  • Má utilização dos recursos hídricos, etc.

Preservação da Mata Atlântica

Com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a Mata Atlântica se tornou um patrimônio nacional. Por esse motivo, o Estado criou áreas de preservação ambiental para cuidar dessas regiões que não foram prejudicadas. Porém, apesar da legislação, ainda existe muito desmatamento. Um dos objetivos é fazer com que haja um desenvolvimento sustentável, ou seja, que o homem possa se desenvolver de forma econômica, mas sem prejudicar o meio ambiente.

Quando esse bioma é preservado, as mudanças climáticas se tornam pouco comuns, a seca não prevalece por muito tempo, não há perda da fertilidade do solo e tão pouco espécies que existem apenas neste bioma, tais como orquídeas e mico-leão-dourado, não ficam ameaçadas.

Dentre os fatos importantes que contribuíram na preservação do bioma foram a ECO-92, Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, um evento realizado no Rio de Janeiro, em 1992. A partir dele, houve maior preocupação com relação a preservação da Mata Atlântica. E, também, o surgimento da lei nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que garantiu principalmente uma melhor utilização e proteção do bioma.

A Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) monitoram e realizam o balanço de municípios abrangidos pela legislação. Eles apresentam os dados sobre locais onde o bioma está preservado e as áreas com maior desmatamento por meio do Atlas da Mata Atlântica.

Curiosidades: 27 de Maio - Dia Nacional da Mata Atlântica

O Dia Nacional da Mata Atlântica foi instituído no dia 21 de setembro de 1999, por meio de um decreto presidencial. O dia 27 foi escolhido em razão da descrição do padre Anchieta das riquezas da floresta, feita na Carta de São Vicente, em 27 de maio de 1560.